Marcelo Hagebock Guimarães Artigo por Marcelo Hagebock Guimarães CREF 010101-G/PR, Conselheiro do CREF9/PR, representante da EF no Conselho Municipal de Saúde, e atua nas Equipes do Núcleo de Apoio à Saúde da Famíla (NASF)

 

Desde a regulamentação da profissão, através da Lei 9.696/1998, e com a atuação do Sistema CONFEF/CREFs, o profissional de Educação Física vem conquistando cada vez mais espaço no mercado, através do trabalho ético, obtendo assim um maior reconhecimento e a valorização pela sociedade.

Essa valorização não se limitou apenas às áreas de Educação e Esporte, mas despertou também a área da Saúde para a importância dos Profissionais de Educação Física, ao reconhecer que o exercício físico vem se tornando cada vez mais necessário para uma vida saudável.

O Ministério da Saúde (MS), atento aos fatores determinantes de saúde e principalmente aos altos índices de sedentarismo no Brasil, incluiu a atividade física no Sistema Único de Saúde (SUS), como fator primordial para melhorar a qualidade de vida da população. Iniciou assim uma série de ações para promoção da saúde e prevenção de doen­­ças através do exercício físico, e incorporou os Profissionais de EF no quadro de profissionais da Saúde.

Desde então, o MS salientou a importância da prática de atividade física, principalmente com a divulgação da Política Nacional de Promoção da Saúde (2006).

Em 2008, foi aprovada a Portaria nº 154/2008 que cria os Núcleos de Apoio à Saúde da Família (NASF), onde o profissional de Educação Física passa a trabalhar diretamente no SUS, dentro das Unidades de Atenção Básica à Saúde, mais especificamente nas Unidades com Estratégia de Saúde da Família, onde desenvolvem um trabalho multidisciplinar, em parceria com outras categorias profissionais.

Em 2011, o MS, pensando na qualidade da atividade física quando dinamizada pelo profissional de Educação Física e em mais uma estratégia para fortalecer as ações de melhoria de qualidade de vida da população, criou a Academia da Saúde (Portaria nº 719/2011), programa voltado para estimular a prática regular de exercício físico, visando mudança de hábitos e adoção de estilo de vida ativo. A Academia da Saúde se torna um espaço apropriado à promoção da saúde e à educação da população para o autocuidado.

Estas conquistas apoiadas pelo Sistema CONFEF/CREFs, trouxeram a necessidade de adequar a formação acadêmica em EF. As Instituições de Ensino Superior precisam disponibilizar, em sua grade curricular, mais disciplinas que tratem de saúde pública, de políticas públicas e do trabalho multiprofissional, para agregar ainda mais conhecimento e maior competência aos futuros Profissionais de Educação Física que venham a atuar neste campo de trabalho cada vez maior: a área da Saúde.

O CREF9/PR vem se mostrando importante articulador para fortalecer a inserção do profissional de Educação Física neste campo, tendo uma atuação participativa nos Conselhos de Saúde (Municipal e Estadual) e também nas Conferências Municipais, Estaduais e Nacionais de Saúde, propondo ações e melhorias na atuação dos Profissionais de EF.

O CREF9/PR também proporciona, aos acadêmicos e profissionais de Educação Física, a oportunidade de aprimorarem seus conhecimentos para trabalhar nesta área, ofertando gratuitamente cursos com o tema “Atividade Física e Saúde”, que inclui informações sobre a atuação dos Profissionais de Educação Física no NASF e Políticas Públicas voltadas para a área da Saúde.

Exemplos de Sucesso

Existem vários estudos e exemplos de sucesso na inserção dos Profissionais de Educação Física na área da Saúde. No Brasil um dos maiores exemplos vem de Belo Horizonte (MG), onde é ofertado o Programa Academia da Cidade, através do Projeto BH Saúde, desenvolvido desde 2006, pela Secretaria Municipal da Saúde.

Núcleo de Apoio à Saúde da Família-NASF-AT-Prefeitura-de-Aracatuba

Ao iniciar neste Programa, o aluno passa por uma avaliação física. É elaborado um plano de exercícios adequado às suas necessidades e capacidades físicas e cognitivas. Os exercícios variam de aeróbios a exercícios de força, flexibilidade e equilíbrio. Cada capacidade física é treinada através do controle de sobrecarga e motivação.

O programa conta com turmas para vários níveis de condicionamento físico, incluindo turmas especialmente voltadas para pessoas com doenças cardiovasculares, acidente vascular encefálico ou hipertensão. A periodicidade das aulas, gratuitas, é de três vezes por semana, com duração de uma hora e atende pessoas acima de 18 anos.

Este Programa também abre vagas para acadêmicos do curso de Educação Física, fornecendo uma base maior de conhecimento para os futuros Profissionais, que se interessem em atuar na área da Saúde.

Outro bom exemplo acontece em Curitiba, onde 29 Núcleos de Apoio à Atenção Primária em Saúde (NAAPS) atuam, desde 2009, em todas as Unidades Básicas de Saúde (UBS). Cada Núcleo forma uma equipe composta por profissional de Educação Física, nutricionista, fisioterapeuta, psicólogo e farmacêutico. As ações desta equipe de apoio são desenvolvidas em parceria com as equipes de atenção básica, dentro dos princípios da Atenção Primária em Saúde.

Neste programa, os Profissionais de Educação Física desenvolvem as mais variadas modalidades de atividade física e tem conquistado um crescente número de adeptos. Para o público infantil (8 a 10 anos) são realizadas atividades de recreação e iniciação esportiva. Para o público adolescente (11 a 17 anos) são realizadas atividades esportivas, rodas de conversas com temas relacionados à saúde, entre outras ações. Para o público adulto e idoso são ofertadas atividades de caminhada, ginástica aeróbica, ginástica localizada, alongamento, dança, Lian Gong, entre outras.

As atividades são realizadas de 2 a 3 vezes por semana, dependendo do público e da disponibilidade do profissional de Educação Física nas UBS atendidas por ele.

Este programa revelou-se como estratégico na prevenção de agravos, na promoção de saúde e na qualidade de vida dos curitibanos. Em um levantamento feito entre os usuários (adultos e idosos) do SUS Curitiba, que aderiram às atividades físicas do NAAPS, foram relatados diversos benefícios, entre eles, a diminuição no uso de medicamentos de controle da diabetes e anti-hipertensivos. Quando não houve diminuição, ao menos manteve-se a mesma quantidade medicamentosa.

Cada dia mais o Sistema CONFEF/CREFs procura ampliar os campos de atuação do profissional de EF. Por isso é importante que os Cursos de Graduação estejam antenados com esse novo mercado de trabalho, para assim formarem profissionais com conhecimento sólido para atuar na área da saúde, pois a sociedade merece ser atendida por profissionais qualificados.

O CREF9/PR sente-se corresponsável pela inserção mercadológica e pela boa formação dos profissionais de Educação Física, em parceria com as Instituições de Ensino Superior. Para isso, realiza diversas ações, tais como: articular e conscientizar diferentes setores da sociedade, promover encontros com os coordenadores de Cursos de Educação Física e, mais diretamente, realizar cursos de capacitação para os profissionais de EF atuarem na àrea da Saúde.